16 de dezembro de 2014

Resenha do Livro: A Ilha


Sinopse:
  Um naufrágio... vários mortos, um sobrevivente. Um homem solitário segue vagando pela terra firme onde o mar o levou. Desesperado em encontrar um rosto conhecido, inicia uma busca, mas, não encontra ninguém familiar, e para sua surpresa,  encontra uma mulher, Sara, e ela se torna sua companheira naquele paraíso desconhecido, e assim, seguem por dias e dias, sozinhos, alheios ao mundo que existe além da ilha. O tempo passa e com a solidão vem a carência, nasce a intimidade e ele se permite, em meio ao nada, viver intensamente aquele novo amor. Só os dois e o início de uma nova vida, como se nascessem novamente, como se a vida tivesse lhes dado uma nova oportunidade. Mas ele precisa voltar, precisa retomar sua vida antiga, isso significa deixar para trás sua vida nova, seu novo amor, mas, uma dúvida segue em sua mente: vai valer a pena voltar?  Descubra lendo A Ilha

  Bem, para começar quero avisar que Joshua Rubberman é o nome de um personagem do livro, e não especificamente do autor ;) 
  O verdadeiro nome desse torturador mental (e logo logo, vocês talvez vão saber o porquê dessa designação) é Adriano de Sousa, mas ele deve ter gostado tanto do personagem que resolveu pegar seu nome emprestado para usar como pseudônimo. Como vocês leram na sinopse, o livro conta a história de um homem, Eduardo, que acorda numa ilha a salvo, depois de um terrível naufrágio. 
É uma sensação estranha essa que sentimos diante da morte, acidentes, cadáveres; -Página 17
  No início, ele passa um belo tempo sozinho, explora o lugar onde está, acha alguns corpos, e finalmente uma mulher, Sara, VIVA. Pelo título, eu achei que esse livro seria igual A Ilha Perdida: quase todo o livro seria focado somente na estadia dos personagens numa certa ilha, e só no final do livro eles seriam resgatados. Mas não é bem assim. Até um certo ponto, a história se passa somente naquele paraíso, com os dois convivendo um com o outro, e nesse tempo eu acho que o autor não aprofundou muito nos sentimentos de ambos os personagens para poder evoluir para o amor. Além disso, acho que ele deveria ter explorado mais esse "título" e dado um pouco mais de importância a essa estadia.
Imagino o quão patético seria sobreviver a um naufrágio em alto-mar e morrer por escorregar em uma pedra em terra firme. -Página 15

  Depois desse certo ponto, eles são resgatados. Aí vem a dúvida na cabeça de Eduardo: será que eu quero mesmo voltar aquela vida (entediante?) que eu tinha? Mas fazer o que, os parentes estão preocupados e eu preciso voltar heuhehehhehehue. Aí tem toda a intromissão da mídia, que leva a reportagens e tudo mais, a nova vida do novo casal... Eduardo termina com Elise (sua namorada antes do acidente), que conseguiu sobreviver e ser resgatada junto com outro passageiro do barco naufragado, Victor, que tã-nã-nã-nããããããããããããããããããã: é irmão de Sara, e passa a namorar Elise.
Nada como o amor para curar todas as feridas de um passado triste. -Página 103 
  Masssssssssssssssssss, isso não é NADA comparado ao final. Todas as críticas que fiz até agora, os "erros" no enredo, foram compensados pelo final. Meu Deus, aquele final foi um dos mais impressionantes e inimagináveis que eu já li na minha vida. Para se ter uma noção do impacto que esse torturador mental causou em mim, eu estava lendo o livro num domingo quando cheguei nessa parte que é a BOMBA, e ela me chocou tanto que fiquei em negação por quase uma semana. Aí, depois que os fãs de a Ilha vão lá dar uma surra no autor, ninguém sabe o porquê. Não sabe porque não leu o livro, porque se leu, tem a mesma vontade ;)
Nunca vi um animal querer prejudicar tanto o outro como os humanos fazem. Triste constatar que nosso lado animal consegue ter mais solidariedade do que o lado humano propriamente dito. -Página 86
  A leitura é rápida, pois o livro só tem 192 páginas, e os capítulos não passam de três cada. Além disso, os diálogos são muito raros, mas isso me agradou bastante, pois o autor  conseguiu fazer com que a leitura fluísse bem mesmo sem eles. 

  O livro tem uma capa belíssima, e eu amei a explicação para a imagem. Nas páginas onde se iniciam os capítulos, há uma decoração que tem tudo a ver com o título: uma ilha.
 
  E quem já leu A Ilha, ou quem quer ler, pode ficar feliz porque já há um rascunho de A Ilha 2, que estou ansiosíssima para ler, já que o final... AQUELE FINAL... conseguiu me surpreender de muitas formas várias vezes.



  Recomendo esse livro a todas as pessoas de todas as idades, pois o mais importante é a mensagem que o livro nos traz: nunca perca a esperança, nunca desista da vida, e quando tudo estiver na pior, levante a cabeça e ache um jeito de melhorar as coisas. Quem leu vai me entender ;)

  Ah, como o livro é curtinho, dá para ler em uma tarde ensolarada :D

  Espero que tenham gostado :D
  E aí, alguém já leu esse livro? O que acharam? Querem ler?

4 comentários:

  1. Olá, tudo bem?
    No início da sua resenha, não dei nada pelo livro. Mas, assim que terminei de lê-la, pensei "tenho que ler esse livro agora!". Adoro finais impressionantes e o livro já está na minha lista!
    Super beijos <3
    http://livros-cores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieee Roberta, tudo sim e você?
      Que bom que já está na sua lista, sinto que todos devem ler esse livro para compartilhar os mesmos sentimentos que eu heuheuhuehe
      Beijos :)

      Excluir
  2. Que legal a resenha.
    Não conhecia esse livro, mas me interessou bastante, ainda mais sabendo que é de um autor brasileiro e que o final é incrível.
    Adoro desfechos que me deixam boquiaberta.

    Estou te seguido! ;)

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Teca :d
      Pois é, os novos autores nacionais estão se superando cada vez mais...
      Beijos :)

      Excluir

Dê sua opinião sobre o assunto discutido acima :D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2015 | Design e Código: Natana Duarte - Colecionando Livros | Uso pessoal