27 de dezembro de 2014

Resenha do Livro: Extraordinário

Nome: Extraordinário
Autora: R. J. Palacio
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
Edição: Primeira
 
  Eu li já há umas três semanas Extraordinário, em e-book, esperando uma coisa totalmente diferente do que veio. Antes de mais nada, uma coisa que me chamou a atenção e até me irritou um pouco no livro foi o seguinte: se Crepúsculo já é visto como um livro puramente comercial, Extraordinário então é absurdamente comercial.
  Nesse caso, eu me refiro a isso por conta da quantidade enorme de menções a marcas famosas, como Star Wars, Nike, Xbox, e o caramba a quatro, e fica parecendo que essas marcas patrocinaram o livro. Na verdade, de algum lugar tem que ter vindo o dinheiro para pagar os direitos autorais de Star Wars e daquela música que o Auggie canta três vezes com a família no carro, então, fica uma situação bem estranha aí!


  Para quem não sabe do que eu estou falando, Extraordinário conta a história de August Pullman, que é um garoto que nasceu com uma rara condição genética por conta da qual o seu rosto é totalmente deformado.
  Só com isso, deu para sentir que a autora tinha um plano muito bom para lidar com uma série de questões que permeiam a vida adolescente, como a preocupação com a beleza, a autoestima e a construção da própria identidade, que no fim, para minha decepção, acabam sendo tratados bem menos do que poderiam.
  Quando August faz dez anos, os pais dele resolvem arriscar as fichas que têm e colocá-lo em um colégio, mesmo ele nunca tendo frequentado um, e só ter tido aulas até então com a mãe, que é professora. Até aí, já temos dois problemas.
 Primeiro: Se ele foi educado em casa até o momento e isso deu certo, qual a real necessidade dessa mudança? O que é que estão tentando corrigir?
  Segundo: Se a mãe dele é professora, porque não matriculá-lo no colégio em que ela dá aula, até para que ela possa acompanhar de perto esse processo e se tornar parte dele?
  Vale lembrar, pessoal, que eu estou questionando isso com base na minha formação como pedagogo. Eu estou no terceiro ano da faculdade de pedagogia, isto é, educação de crianças, pela Unesp da minha cidade. Por isso, inclusive, achei que a leitura desse livro seria pertinente.
  Na sequência, vem as primeiras memórias dele das vivências no colégio e as primeiras relações que ele estabelece com as crianças de lá. As mais importantes: Jack Will, Julian e Summer.
  Jack Will é o primeiro amigo que August encontra no novo colégio, e o único a lhe oferecer um ombro amigo e lhe tratar como igual, enquanto todos estão fulminando-o sem cessar por conta do seu problema genético.
 Summer faz o mesmo, e inclusive, quase... Mas quase, bem quase mesmo, acaba se tornando o provável parzinho romântico do Auggie, o que na verdade nunca acontece.
  E depois, o narrador muda, passando para Summer, Jack Will, Olivia, que é a irmã do August, e várias outras pessoas em volta. A intenção é mostrar ao leitor como é o mundo a volta de uma criança diferente e como as pessoas o enxergam.
  Mas eu acabei sentindo no fim das contas que os temas importantes que eu já citei, como o Bullying, a beleza e sua real importância na vida adolescente, a construção de identidade e todos os outros temas interessantes que esse cenário torna pertinente a abordagem, acabaram não ficando de lado, mas eu não consegui sentir que eles tiveram, nesse livro, a devida atenção de que necessitavam, que era objetivo.
  Eu vou citar aqui alguns trechos interessantes:
  Uma coisa que me chamou a atenção foi a mesa do verão. A mesa do verão é algo que até agora eu me lembro como a coisa mais "What?" Do livro.
  Esse é o momento em que August conhece a Summer na hora do almoço, e eles decidem que aquela mesa em que só os dois estão sentados seria a mesa do verão, porque Summer significa Verão, e August significa Agosto, que é o mês do Verão.
  E aí, eles decidem que só vão deixar sentar com eles nessa mesa quem tiver alguma coisa no nome que tenha a ver com o verão.
  Aí eu te pergunto: se o livro tem o objetivo de discutir a necessidade da inclusão dos diferentes, de todo mundo sobretudo das pessoas diferentes, porque raios os dois personagens principais estão excluindo pessoas de sua mesa no refeitório?
  Um outro trecho que eu gostaria de citar aqui, que me chamou bastante a atenção, foi quando August ouve Jack Will, então seu melhor amigo, dizer que não gostava nem um pouco dele e que não andava com ele, mas que era August quem vivia atrás dele.
  Para vocês entenderem como soava a relação dos dois, sendo que nessa parte, o narrador é o Jack Will:
Sabe, tenho muitos outros amigos na escola. Então, se o August quer se tornar oficialmente meu ex-amigo, por mim tudo bem, não me importo. Comecei a ignorá-lo do mesmo modo que ele estava fazendo comigo. Na verdade isso é meio difícil, pois nos sentamos juntos em quase todas as aulas.Os outros alunos notaram e começaram a me perguntar se eu e o August brigamos. Ninguém pergunta a ele o que está acontecendo. Aliás, quase ninguém fala com ele. Quer dizer, a única outra pessoa com quem ele anda além de mim é a Summer. O lado positivo é que agora ando com várias outras pessoas. Antes, quando eu estava com o August o tempo todo, o pessoal não queria ficar comigo por causa dele. O lado negativo é que, bem, (a) na verdade, não gosto tanto assim de andar com os populares, e (b) eu realmente gostava de andar com o August. Então isso é muito chato. E é tudo culpa dele.
  O que pareceu tão forçado que soou como:

De copo sempre cheio, coração vazio! Tô me tornando um cara solitário e frio! Vai ser difícil eu me apaixonar de novo, e a culpa é sua! Antes embriagado do que iludido. Acreditar já não faz mais sentido! Eu vou continuar nessa vida bandida, até você voltar!

  Então é isso, galera! Brincadeiras a parte, Extraordinário é um livro muito legal e muito interessante com um assunto que é super pertinente com as questões do mundo atual, e que eu tenho sorte demais em poder ter chegado até ele e ter lido um livro assim. A lição final dele é a de que no fim das contas, todos nós somos vencedores, e deveríamos ser aplaudidos de pé pelo menos uma vez na vida por todos os leões que matamos e guerras que vencemos contra o dia a dia todos os dias.
 Fica então a recomendação desse super livro, e por favor, por favor, não deixem de comentar esse post, dizerem o que acharam e pedir novas resenhas!

  Fui!

9 comentários:

  1. Suas questões foram interessantes sobre a trama, mas... mas mas mas askjhajsh esse livro é realmente extraordinário <3
    whoosthatgirrl.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oii tudo bom?
    Este livro me pegou de surpresa. Eu não esperava este tipo de narrativa, e tudo o que posso dizer é que foi muito muito bom. Deu para tirar umas mensagens bem bacanas =D
    Um abraço
    Oficina do Leitor / Facebook

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é ino né?
    Amoooo
    Leia UM CASO PERDIDO é bem diferente de extraordinario, mas é perfeito.
    Beijos

    colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi pessoa!
    Acho que o título fala por si só. Minha experiencia com esse livro foi inesquecivel <3 Ele trás uma sentimento tão bom quando você termina *-*

    Abraços
    David Andrade
    http://www.olimpicoliterario.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá, Maciel!

    Em primeiro lugar, parabéns pela resenha! Você foi crítico do começo ao fim (nas partes positivas e nas partes negativas, embora as negativas tenham se sobressaído) e eu dei muita, mas muita risada com o seu jeito de escrever! Parece muito com comédia Stand Up! Achei o máximo!

    Infelizmente, nunca li Extraordinário, mas essa parte da mesa é mesmo "what?". Vai totalmente contra o que a autora está querendo passar! xD E aposto que já devem ter escrito fanfics entre o August e o Jack! :P

    Ana Carolina Nonato
    Blog Seis Milênios
    http://seismilenios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oie

    Eu achei esse livro uma graçinhaa <3

    Embora tenham essas propagandas ao longo do livro , não o achei excepcionalmente comercial , achei que a escrita foi conduzida de forma a mostrar o lado "comum" de August como uma criança da idade dele e quanto ao seu primeiro questionamento , se fosse um caso real , eu como Assistente Social também indicaria a inclusão dele em alguma escola com vistas a permiti-lo desenvolver suas habilidades sociais.
    Gosto muito da mensagem que o livro passa , eu viva indicando ele para crianças e jovens
    Bjos
    Ariane
    www.resenhasdelivros.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá, acabei de comprar o livro e gostei da tua resenha que pude ver novos detalhes que muitos não citaram, já que elogiaram bastante a obra, irei conferir e ter em conta o que expressou.
    Desejo sucesso no blog.
    http://k-secretmagic.blogspot.com.br/
    Xoxo

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Parece ser um bom livro apesar de não ser muito meu estilo preferido...
    Acho muito bom esses livros que trazem lições que podemos levar para a vida :)
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Puxa, que resenha incrível, sério. Super parabéns! Eu já li Extraordinário e se tornou um dos meus preferidos, mas nunca tinha analisado a história desse ângulo que você viu. Realmente, alguns pontos são mesmo meio contraditórios, mas acho que, acima de tudo, o que fica mesmo é a lição de vida. Achei o livro bastante condizente com a vida de August, porque, pelo menos a meu ver, conseguiu expressar bastante todas as questões de alguém que ainda é uma criança (10 anos é criança, não adolescente) e tem de lidar com problemas que permeiam quem se é.
    Mas uma vez, parabéns pela resenha! Foi verdadeira e foi direto ao ponto.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Dê sua opinião sobre o assunto discutido acima :D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Copyright © 2015 | Design e Código: Natana Duarte - Colecionando Livros | Uso pessoal